CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

DO DISTRITO FEDERAL

Vidas alheias e riquezas salvar

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

DO DISTRITO FEDERAL

Vidas alheias e riquezas salvar

Major Achetta e Sd Achetta

O Major Achetta ingressou na corporação em 1984. 29 anos depois, seu filho seguiu seu exemplo e se tornou militar do CBMDF.

“Meu pai sempre foi uma grande inspiração e um grande exemplo: polido, dedicado e operacional. Nunca o escutei reclamar do serviço ou das missões que tinha de cumprir. Sempre amou a corporação.
Até hoje sento-me curioso para ouvir as histórias sobre as ocorrências e sobre os vários cursos que fez durante a carreira.
Desde pequeno lembro-me de querer ser como ele: ser bombeiro militar, ajudar as pessoas sem precisar saber quem são, dedicar minha vida por outras vidas. Representar bem a corporação e honrar a farda que vestimos como se fosse nossa própria pele, nossa armadura.
Já bombeiro, me ensinou a passar as fardas, estar com boa apresentação individual, cuidar dos equipamentos, confeccionar nós, ser disciplinado e abnegado. Me ensinou a valorizar os mais antigos, aqueles que trouxeram a corporação ao nível de excelência que está hoje. Por fim, me ensinou que estamos na melhor profissão do mundo e que devemos valorizar a bênção que é ser Bombeiro Militar.
Herdei seu nome de guerra e até o tipo sanguíneo, tão importantes na nossa vida na caserna. Hoje sigo a carreira que ele tanto cultivou, com a grande responsabilidade de manter o padrão. Serei sempre grato a Deus pelo pai que tenho e grato ao meu pai por tudo que fez e faz até hoje”.

 

1º Tenente Edson e Sd Matheus Felipe

 “Desde criança observava meu pai chegar em casa vestindo a farda laranja. Às vezes cansado do serviço, porém trazendo o cumprimento da missão " Vidas alheias e riquezas salvar".
A partir daí construí o desejo de representar a corporação, com o anseio de atuar nas diversas atividades, assim como meu pai fazia. Em 2 de julho de 2018 ingressei na corporação, podendo realizar o sonho de atuar ao lado de quem é minha inspiração como pessoa e como profissional. Nesta data comemorativa de Dia dos Pais, agradeço a meu pai por todos ensinamentos e dedicação para minha formação como cidadão e bombeiro militar, e colocamos nossa família a serviço da sociedade brasiliense. VIDA POR VIDAS."

 

Major R Costa e Cadete Érica Costa

Muito antes de entrar nas fileiras da corporação eu já tinha em casa um grande exemplo. Sempre que ouço na Academia sobre os atributos que um bombeiro militar deve possuir, inevitavelmente a imagem do meu pai vem a minha cabeça: dedicado ao trabalho e família, simples, rústico, camarada, disciplinado, prestativo, responsável, desenrolado, entre outros. Fico feliz porque a cada dia eu me pareço mais com esse homem que eu admiro, e atribuo isso ao Corpo de Bombeiros. Espero ainda trazer muito orgulho e poder continuar esse legado de 29 anos com o mesmo amor que meu pai tem à corporação. Um feliz dia dos pais a todos os heróis do fogo e principalmente a esse a quem eu atribuo todo o mérito das minhas conquistas, pois está sempre me apoiando com todo o entusiasmo do mundo.

 

Sgt Edson e Major Luana

Meu pai era de uma época (1973) em que se ficava mais no quartel do que em casa, principalmente por ter sido mergulhador e paramédico. Então eu via meu pai muito pouco.
Por isso, toda vez que ele saia para o quartel eu pedia para me levar e ele com o sorriso largo me dizia “então vamos”. Eu sabia que naquele dia eu teria meu pai por perto, mesmo dividindo ele com sua missão.
Minha infância foi marcada pela sirene das viaturas, a correria dos militares para as ocorrências e pelos suaves voos das garças do Grupamento de Busca e Salvamento.
Bem… tive a oportunidade de comer no rancho, pescar no lago, jogar pão seco para os peixes, passar pela grade que dividia o quartel com o clube Motonáutica, assistir a formatura da bandeira, bem como comer a famosa mariola.
Estar pelos corredores daquele quartel era estar perto do meu pai. Era ter a certeza que meu coração não iria apertar de saudades. Eu estava com meu pai no lugar em que ele amava estar, pronto para salvar vidas!
Fui abençoada por Deus porque tenho a oportunidade em ter na vida um pai herói, de cinto vermelho, que às vezes salvava vidas na água, às vezes na terra e até mesmo nas alturas.
Meu pai, sem eu perceber, sempre se preocupou com detalhes da minha vida, enquanto eu vivia a minha doce infância ao seu lado.
Ele sonhou o meu futuro e dizia “você será Oficial do bombeiro”. Agradeço o que ele sonhou para mim. O que sonhamos juntos virou realidade no dia 03 de dezembro de 2003, dia em que foi entregue a espada. Vi nos olhos de meu pai, pela primeira vez, lágrimas que ficaram em minha memória. E a seguinte frase ao meu ouvido:  “Filha, você escolheu a melhor profissão do mundo”.
Longos anos se passaram e tenho hoje meu pai com cabelos brancos um corpo mais frágil, mas o abraço continua o mesmo: forte e amoroso, como eu sentia na minha infância.
O que dizer no dia de hoje? Hoje é o dia de agradecer a Deus o presente que recebi no dia em que nasci.
Obrigada pai pelo que me tornei. Te amo!