CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

DO DISTRITO FEDERAL

Vidas alheias e riquezas salvar

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

DO DISTRITO FEDERAL

Vidas alheias e riquezas salvar

 Histórico do CBMDF

1960

Com a mudança da Capital Federal, do então Estado da Guanabara (atual Rio de Janeiro - RJ), para Brasília, e com o que ficou estabelecido a partir da Lei 3.751, de 13 de abril de 1960, foi disposta a organização do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (CBDF) e em 04 de maio é sancionada a Lei nº 3.765, a qual dispõe sobre as Pensões Militares.

1964

Em julho de 1964, chegava a Brasília oriundo do Rio de Janeiro o Capitão Arlindo Jacarandá, a fim de providenciar alojamento junto ao Serviço de Policiamento Ostensivo (SPO), sendo designado para exercer as funções de Chefe do Corpo de Bombeiros da Guarda Federal de Segurança Pública do DF, através da Portaria nº 259, de 02 de julho de 1964.

1965

À 01h do dia 02 de junho de 1965, seguiram da Praça Mauá, com destino à Brasília, o "Contingente Comandante Moraes Antas". Estes militares propuseram-se a fazer tal marcha a pé, até a Capital da República, com o firme propósito de demonstrar o valor do Soldado do Fogo, e firmar nossa Corporação no seio da população. O contingente chegou à Brasília às 16h do dia 01 de julho de 1965, no Eixo Rodoviário Sul, sob aplauso do público que aguardava a sua chegada.

1966

Através do Decreto-Lei nº 9, de 25 de junho de 1966, o Corpo de Bombeiros do Distrito Federal passava a ser subordinado ao Prefeito do Distrito Federal, ficando também seu efetivo em 1.238 homens.

 

1967

Em 16 de janeiro de 1967, chega a Brasília o último contingente do Rio de Janeiro, findando assim, por definitivo a transferência para a Nova Capital.

Também nesse ano o Decreto-Lei nº 315, de 13 de março de 1967 passa a subordinação do Corpo de Bombeiros à Secretaria de Segurança Pública.

A 28 de março de 1967 , o primeiro Quartel de Bombeiros foi inaugurado em Brasília, construindo em Alvenaria, que teve a primeira denominação de "Quartel da Asa Sul", e o seu primeiro Comandante o então Major Gilberto Baptista de Almeida.

1968

A 31 de janeiro de 1968, o Quartel da Asa Sul teve seu nome alterado para "Quartel Central Provisório", até 27 de março de 1969, denominado nesta data "Quartel Sede do 1º Grupamento de Incêndio, que mais tarde recebeu a denominação de "Quartel do 1º Subgrupamento de Incêndio do 1º Grupamento de Incêndio".

Quando o Quartel do então 1º Grupamento de Incêndio, recebeu esta denominação, o Comando Geral da Corporação, com toda sua administração, passou a funcionar no prédio "nº 49, da avenida W/3-Sul", sendo assim o Primeiro Quartel do Comando Geral do CBDF.

A 06 de fevereiro de 1968, foi inaugurado o "Posto nº 4", no final da Asa Norte, tendo funcionado nesse posto inicialmente o Serviço de Saúde da Corporação, e mais tarde a Escola de Formação de Oficiais, até o ano de 1980.

A 16 de abril de 1968, foi incluída nas fileiras do CBDF a primeira turma de Alunos-a-Oficial, composta de 35 jovens.

A 25 de junho de 1968, tivemos inauguradas as instalações do Quartel do 2º Grupamento de Incêndio, localizado no Eixo Monumental Leste, Vila Planalto, Quartel este destinado a guarnecer a área de maior importância, no complexo político-administrativo da União, face à sua localização. O 2º Grupamento de Incêndio foi inaugurado no comando do Coronel Adacto Arthur Pereira de Melo, e teve como seu primeiro Comandante o então Capitão Waldemir Teixeira.

Em consequência do crescimento de Brasília e das necessidades de ampliação de nossas instalações, tivemos no dia 20 de agosto do ano de 1968, a inauguração do 3º Grupamento de Incêndio, que se localiza na Cidade Satélite de Taguatinga. Neste Grupamento funcionou o Hospital da Corporação até ser, mais tarde, transferido para a Policlínica. Funcionou também a Sala da Banda de Música, onde nossos músicos se preparavam para tocatas que eram realizadas naquela época.

Como primeiro Comandante do 3º Grupamento de Incêndio, tivemos o Capitão Manoel Gregório de Azevedo.


1969

No dia 21 de abril de 1969, tivemos a inauguração de dois Postos, sendo o nº 3 na Cidade Satélite do Gama e o nº 2 na Cidade Satélite de Sobradinho.


A 2 de julho de 1969, data em que se comemora o aniversário da Corporação, recebemos mais 3 novas instalações, sendo uma destinada ao Quartel Central, onde passou a funcionar a Administração Geral do Corpo, situado no Setor de Áreas Isoladas Norte, uma outra destinada ao atendimento do Núcleo Bandeirante, com a denominação de Posto nº 1, e, outra para o serviço lacustre, que passou mais tarde a ter a denominação do Grupamento de Busca e Salvamento com a finalidade de atender aos casos de buscas e salvamentos em matas, rios, etc.


Ainda no ano de 1969, tivemos a graça de colocar em serviço as novas viaturas adquiridas para o CBDF, oriundas da Alemanha e que estão assim denominadas:

03 Plataformas de iluminação;
09 Viaturas tipo UNIMOG;
03 Escadas Magirus;
10 Auto-Bombas;
03 SNORKEIS.

                                                                                                                                           1970

Os então Soldados BM MARANO, MAGELA e INDIO, participaram de um Curso de Mergulhador Autônomo na Marinha do Brasil, Rio de Janeiro, sendo assim a primeira equipe de mergulhadores do CBDF, em Brasília.

Em 02 de julho de 1970 foram declarados Aspirantes-a-Oficial os concludentes da primeira turma de Alunos-a-Oficial do CBDF.

 

 

1971

Através do Decreto nº 68.336, de 10 de março, o Presidente da República reafirma a condição de militar ao então CBDF, passa a ser denominado Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF).


1972

No dia 28 de dezembro de 1972, foi inaugurada a Unidade de Combate a Incêndio, localizada no Setor de Indústria e que recebeu na época a denominação de "Posto nº 5".


1973

No dia 12 de abril de 1973, foi criado o Grupamento de Apoio, que mais tarde teve sua denominação modificada para Centro de Manutenção - CeMan.

 

1974

Por meio da Lei nº 6.022, de 03 de janeiro, sancionada pelo Presidente da República, o CBMDF foi definido como um órgão subordinado ao Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal e Força Auxiliar, Reserva do Exército, sendo definido também que este era constituído por uma categoria especial de servidores públicos do DF.


1976

Através da Lei nº 6.333, de 18 de maio, o Presidente da República sanciona a Lei de Organização Básica do CBMDF, colocando-o subordinado administrativamente e operacionalmente ao Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal e reafirmando-o como Força Auxiliar, Reserva do Exército, sendo estruturado em órgãos de: direção (encarregado do comando e da administração geral – planejamento e organização em todos os níveis, sendo também responsável pelo acionamento, coordenação, controle e fiscalização da atuação dos demais órgãos); apoio (atendem as necessidades de pessoal e material de toda a Corporação, mas só realizam as atividades-meio); e execução (realizam as atividades-fim).

 

1977

O Governador do DF regula por meio do Decreto nº 3.579, de 08 de fevereiro, os Quadros de Oficiais Bombeiros Militares de Administração e de Especialista do CBMDF (que eram compostos por Tenentes e Capitães).

 

1978

No início do ano de 1978, o Governo Brasileiro, representado pelo CBMDF, requereu ao Governo do Japão, através da Embaixada do Japão no Brasil, a execução de estudos para a construção do que se denomina hoje Academia de Bombeiro Militar.

 

1979


Em 12 de outubro, chega ao Brasil a Missão de Levantamento Preliminar, do Japão, para as avaliações necessárias ao início efetivo do convênio Brasil x Japão.

 

1980

Tem início a construção do Centro de Formação, Aperfeiçoamento e Especialização (CeFAE – atual Academia de Bombeiro Militar - ABM), já como parte integrante do Projeto de Cooperação Japonesa.


Em 17 de novembro, a Agência de Cooperação Internacional Japonesa (JICA – Japan International Cooperation Agency) enviou à Brasília a primeira missão para pesquisar o local, bem como o andamento das obras do CeFAE.

Em 15 de dezembro daquele mesmo ano, foram inaugurados os Quartéis de Planaltina e Brazlândia, sendo que este último, funcionou inicialmente em um galpão da Administração daquela Satélite, enquanto que o Quartel de Planaltina funcionou em uma edificação antiga, sem muito conforto.


1981

Em 26 de janeiro, a segunda missão japonesa foi despachada para Brasília, com o intuito de apresentar o desenho básico e a exposição do Programa de Treinamento e do Programa de Pesquisas desenvolvidos pelos japoneses.

Em 09 de março foi inaugurado o Centro de Formação, Aperfeiçoamento e Especialização (CeFAE), que mais tarde recebeu a denominação de Academia de Bombeiro Militar, dentro do projeto desenvolvido pela cooperação japonesa.

Em 21 de março, chega à Brasília a terceira missão japonesa, trazendo consigo o Projeto Básico final da ABM, bem como fazendo a doação de materiais e equipamentos de combate a incêndios e salvamentos, realizando ainda demonstrações relacionadas às operações destes materiais.

Em 07 de agosto de 1981 é aprovado, pelo Governador do DF, o Regulamento de Movimentação para Oficiais e Praças da Instituição, por meio do Decreto nº 6.142.
 


 

1982

Em 01 de julho de 1982, é inaugurado o Quartel da Ceilândia, já dentro de uma visão diferenciada, em relação aos Quartéis existentes.


Em 02 de julho, é inaugurada a Torre Auxiliar de Exercícios da ABM, com a denominação de TORRE YOKOHAMA, em homenagem aos Bombeiros Japoneses daquela Cidade, que contribuíram para o êxito do convênio Brasil x Japão.


1984

Em 02 de julho de 1984, é inaugurada a Torre Principal de Exercícios da ABM, denominada TORRE TÓKIO, em homenagem aos Bombeiros daquela Cidade japonesa, que contribuíram para o êxito do Convênio Brasil x Japão.


Em meados daquele mesmo mês de julho, chega a Brasília, a Primeira Missão Japonesa com o intúito de repassar técnicas de Busca e Salvamento para os Instrutores e Monitores da Academia de Bombeiro Militar.


1985

Em 21 de fevereiro é regulado pelo Governador do DF, por meio do Decreto nº 8.459, os Quadros de Oficiais Bombeiro Militar de Administração e Especialistas, revogando o Decreto nº 3.579, de 1977.

Já em meados de agosto, chega a Brasília a segunda missão Japonesa, com o mesmo intuito de repassar técnicas para Instrutores e Monitores da ABM, mas desta vez, voltadas para o Combate a Incêndios.

Tem início no CBDF o primeiro Curso Superior de Bombeiro Militar (CSBM).


1986

O Decreto nº 9.490, de 29 de maio de 1986, institui a "Medalha Sangue de Brasília", destinada a agraciar aos Civis e Militares, bombeiros ou não, que no exercício das funções de Bombeiros, ou como apoio a estes, tornarem-se vítimas de suas próprias ações.

Após a absorção, e devida adaptação das técnicas japonesas, é ministrado na ABM o primeiro Curso de Especialização em Salvamento e Extinção de Incêndios - CESEI, que se constitui num marco Técnico-Profissional da nossa Corporação.

 

1987


Através do Decreto nº 10.522, de 07 de julho de 1987, foi instituída a "Medalha Imperador Dom Pedro II", destina da a agraciar aos civis e militares, Bombeiros ou não, que de alguma forma prestaram relevantes serviços ao CBDF, ao Distrito Federal ou ao Brasil.

 

1988


Em 20 de maio, tem início na Academia de Bombeiro Militar o primeiro Curso Internacional de Treinamento em Salvamento e Combate a Incêndio - CIT/SCI, com o intuito de repassar aos Países da América do Sul, América Central e África de Língua Portuguesa, as técnicas de Salvamento e Combate a Incêndios Japonesas. O curso é levado a efeito pelo CBMDF, com supervisão de peritos japoneses. O primeiro curso contou com a participação de Bombeiros da Argentina (2), Bolívia (2),Paraguai (2), Chile (2), Peru (2), Equador (4), Venezuela (2) e Colômbia (2) além de (7) brasileiros.

Com a promulgação da Constituição Brasileira, em 1988, a situação de militares por parte dos integrantes dos Corpos de Bombeiros Estaduais e do DF ficou garantida, sendo consolidadas as atribuições destas instituições. Ao atender ao disposto no Artigo 144 da Constituição, passa legalmente a ser denominado CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL.


1989

Tem início novos estudos, com o intuito de firmar convênio de cooperação técnica com o Japão na área de Perícia de incêndio e análise de amostras orgânicas e inorgânicas, com a vinda de uma missão japonesa em julho de 1989.

1991

 Em 20 de novembro foi promulgada a Lei Federal nº 8.255, que dispõe sobre a Organização Básica do CBMDF. Ainda nesse ano, em 6 de dezembro, a Lei Federal nº 8.258, fixou o efetivo da Corporação em 6.600 (seis mil e seiscentos) bombeiros militares.

1992

O Governador do DF estrutura a Instituição com o Decreto nº 13.775, de 11 de fevereiro e ainda transforma algumas unidades (muda a denominação e localização dos órgãos de direção, apoio e de execução do CBMDF).

 

 

 1993

Ingressam 3 Alunos-Oficiais feminino no Curso de Formação de Oficiais, bem como de 42 soldados femininos no CBMDF, é o início da participação das mulheres na Corporação. O Decreto nº 15.242, de 24 de novembro, traz que o Governador do DF aprova o Regulamento de Uniformes da Corporação.

 

 

1994

 

Com o Decreto nº 15.466, de 25 de fevereiro, o Governador regula o Quadro de Oficiais BM Complementar do CBMDF (que iam de 2º Ten. até Ten-Cel.) e com o Decreto nº 15.625, de 14 de maio, ele regula o Quadro de Oficiais de Saúde (cursavam como 2º Ten. e após a habilitação eram promovidos a 1º Ten.).

Já por meio do Decreto nº 16.036, de 04 de novembro, ele altera a organização da Corporação e institui entre as missões da Corporação, a realização dos serviços de emergência pré-hospitalar.


 

200

 

 

1998

Em 03 de julho, o Governador do DF extingue o Quadro Feminino de Oficiais e Praças, através do Decreto nº 19.392.

 

2001

 

O CBMDF forma a primeira Mergulhadora de Resgate.

 

 

2002

O Governador altera o organograma do CBMDF, por meio do Decreto nº 22.831, de 01 abril, enquanto que o Presidente da República, através da Lei nº 10.486, de 04 de julho de 2002, passa a dispor sobre a remuneração do militares do DF.


Esta lei permite que os BMs renunciem, em caráter irrevogável, os benefícios previstos na Lei nº 3.765 de 04 de maio de 1960 (Pensão Militar). Em 27 de dezembro é sancionada a Lei nº 10.633, que institui o Fundo Constitucional do DF, para atender o disposto no inciso XIV, do artigo 21, da Constituição Federal.

10

 

 

 

2003

 

É instituída no CBMDF, pelo Governador do DF, através do Decreto nº 24.275, de 08 de dezembro, a Medalha da Ordem do Mérito Bombeiro Militar do DF “Imperador Dom Pedro II”.

 

2004

Foi realizada a Marcha Brasília-Rio, em homenagem aos militares que em 02 de junho de 1965, realizaram a Marcha Rio-Brasília, sob o comando do 1º Tenente Manoel Gregório de Azevedo.

 

 

2005

A Medalha Sangue de Brasília é alterada pelo Governador, em 22 de junho, por meio do Decreto nº 25.964. Em 15 de julho é sancionada a Lei nº 11.134, que institui a Vantagem Pecuniária Especial (VPNE) e estabelece as condições mínimas e máximas de idade e altura para entrada na Instituição.


Os Decretos nºs 26.361 e 26.363, todos de 11 de novembro, respectivamente, altera a regulamentação das Qualificações BM Gerais (QBMG) e Particulares (QBMP) do CBMDF e reestrutura a Instituição (modificação da denominação e da localização dos órgãos de direção, apoio e de execução).


Desta maneira, foram extintas: as QBMP-00 (Combatente); QBMP-03 (manutenção); QBMP-04 (músico); QBMP-06 (Saúde); QBMP-07 (tambor-corneteiro); QBMP-08 (motorista); QBMP-10 (Paramédico); e QBMP-12 (hidrante), passando as praças delas remanescentes, a integrarem as QBMGs, da seguinte forma: na QBMG 01, as praças da QBMP 00, QBMP 06, QBMP 07, QBMP 10 e QBMP 12; na QBMG 02, as praças da antiga QBMP 08; na QBMG 03 e 04, as praças atinentes as QBMPs 03 e 04.

 

2007

 

Pela 1ª vez é usado o Sistema de Comando de Incidentes (SCI) em operação de grande vulto,  no Incêndio do Parque Nacional de Brasília.

 

 

 

2008

São instituídas as normas para ingresso no CBMDF, através do Decreto nº 28.699, de 21 de janeiro, o qual limita a entrada na Corporação às pessoas que já possuem o diploma de conclusão do Ensino Superior.

 

2009


Em 06 de novembro foi promulgada a Lei Federal nº 12.086, que alterou a Lei Federal nº 8.255, de 20 de novembro de 1991, alterando a estrutura funcional do CBMDF, ficando a cargo do Poder Executivo Federal, mediante proposta do Governador do DF, a organização básica do Comando-Geral e dos órgãos de Direção-Geral e Setorial, enquanto que ao Governador ficou a incumbência de organizar os órgãos de apoio e de execução.

 

2010

A Presidenta da República, por meio do Decreto nº 7.163, de 29 de abril, altera a organização básica do CBMDF, em relação aos órgãos de direção-geral e setorial e inclui a execução das ações de emergência médica em atendimento pré-hospitalar e socorros de urgência entre as competências da Corporação. Em 21 de junho, através do Decreto nº 31.817, o Governador do DF, regulamentou os órgãos de apoio e de execução da Instituição.

 

2011

O novo Regulamento de Uniformes da Corporação é aprovado pelo Governador, por meio do Decreto nº 32.784, de 1º de março. A estrutura administrativa da Instituição é disposta pelo Decreto nº 33.429, de 19 de dezembro.

 

Em junho de 2011 o CBMDF recebeu o Nimbus 1, a primeira de duas aeronaves para combate a incêndios florestais.

 

 

 

 

No dia 16 de junho de 2011 foi inaugurado o novo quartel do Guará I.

 

 

No dia 19 de agosto de 2011 foi inaugurado o novo quartel de Planaltina.