22 de abril – o dia é da Terra, a responsabilidade é nossa

O DIA É DA TERRA, A RESPONSABILIDADE É NOSSA

Texto: 2° Sargento Ronei Lima

Não tem saída, ou mudamos nosso comportamento, ou a terra não irá se curar das doenças e feridas decorrentes da exploração humana. Essa é a imagem que podemos fazer, uma Mãe a pedir socorro. A sua cura passa pela capacidade de pensarmos novas ecologias, novas configurações éticas com/para meio o ambiente. Seria repensar fora do jogo binário natureza/cultura, antes uma unidade, um ecossistema e suas interconexões.

 Com uma cosmovisão avançada, os povos originários dos Andes Centrais, já celebravam a terra, esse rito ainda pode ser encontrado na cultura de países andinos, o ritual é conhecido como celebração à Pachamama, que na língua quéchua significa Mãe Terra.

Novamente a imagem surge, a terra como Mãe, uma Mãe em logo processo de adoecimento causado por quem a deveria proteger. Abelhas com risco eminente de extinção, milhares de espécies já extintas, crimes ambientais, rios apodecridos, incêndios florestais criminosos, barragens contaminadas, vazamentos radioativos, plásticos nos oceanos, aquecimento global, derretimento de geleiras, aumento da temperatura dos oceanos, guerras, conflitos étnicos, consumo em excesso, milhões de crianças com fome, racismo, pandemia, enfim, é muita dor sobre seu manto terrestre,  resultado da ação predatória humana. A terra é um organismo vivo, inúmeras pesquisas evidenciaram que o desequilíbrio ambiental em um local pode afetar todo planeta. Como ser vivo, ela pede socorro, os sinais estão postos.

Em 1970 uma voz se levantou no senado americano em defesa da terra, o senador Gaylord Nelson, aprovou proposta e transformou o dia 22 de abril no Dia da Terra. Essa data foi um marco de visibilidade para os problemas ambientais e o início de pequenas ações em diversas países.

Com fortes convicções ambientalistas o senador fez um discurso naquele ano que ainda hoje é lembrado “Nosso objetivo é um ambiente de decência, qualidade e respeito mútuo para todas as outras criaturas humanas e para todas as criaturas vivas. A batalha para restaurar uma relação adequada entre o homem, seu ambiente e outras criaturas vivas exigirão um compromisso longo, sustentado, político, moral, ético e financeiro – muito além de qualquer esforço feito antes. “ Seu discurso foi o chamado para uma nova ética ambiental.

O Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal tem um histórico de proteção ao meio ambiente, defendemos o cerrado brasileiro na capital federal contra os grandes os incêndios florestais a mais de seis décadas. Desde 2015 o CBMDF a Assessoria Técnica Administrativa – ASTAD, abriga a Comissão da Agenda Ambiental na Administração Pública – A3P, responsável por promover, conscientizar e estruturar ações para auxiliar a instituição em sua política de sustentabilidade. Importa lembrar que a Comissão A3P/CBMDF têm dois agentes ambientais em cada Unidade, o que permite multiplicar práticas de sustentabilidade.

Nos 5 anos da Comissão foram dezenas de resultados alcançados, por esse motivo a Corporação é uma referência para várias instituições nacionais que pensam em aderir ao Programa de Sustentabilidade do Ministério do Meio Ambiente. O CBMDF é considerado o primeiro Bombeiro Verde do Brasil.  Somos eticamente comprometidos com o meio ambiente.

Por esse motivo celebramos o dia 22 de abril, o Dia da Terra, o Dia de Pachamama, celebramos com ânimo e responsabilidade para continuar a proteger e cuidar da Terra.  Temos uma longa jornada para alcançar a cura.

English Português Español
Skip to content